Os efeitos do Consumismo no Cotidiano das Relações

Imagem de Alex Gross

Não vamos falar sobre algo novo. Provavelmente o leitor já ouviu a respeito dos efeitos do consumismo nas relações, sendo que o consumo para se efetivar convoca a expectativa da novidade e da individualidade, que por trás do consumo há a promessa de felicidade. Por isso o convite deste texto é para que consigamos atravessar a teoria dessa questão para a percepção disto no cotidiano.

Ingenuidade acharmos que não somos afetados pela cultura, seja qual for. É como se houvesse uma grande voz ecoando e nos embalando nos momentos mais desavisados. O consumo não está atrelado apenas aos bens materiais, mas a própria ideia de felicidade – se algo está ruim, triste, não anda, mudemos, pois no novo há a promessa de felicidade.

Há uma voz, hoje, por exemplo, que nos impele a uma espécie de heroísmo individual, que também está atrelada à ideia de consumo, isto é, “tudo o que queremos, podemos”; “somos os responsáveis por absolutamente tudo o que nos ocorre e temos o direito a toda felicidade e gama de coisas que nos oferecem”. “A vida só não é perfeita se não quisermos”. “Merecemos o amor perfeito, a casa perfeita, o emprego perfeito…”, etc. afinal, devemos consumir o melhor e o novo sempre. Poder consumir nos qualifica. Como se as coisas da vida não fossem processos sujeitos a tempestades, maus tempos e também alegrias, como se não fossem construções sujeitas a desabamentos e reconstruções. Processos pressupõem tempo.

Se levarmos isso ao campo dos afetos, a pressa da novidade nos motiva a trocas constantes e gera a superficialidade nas relações. A troca constante de parceiros, de amigos, de lugares. É preciso estar sempre experimentando novidades, conhecendo lugares novos, gente nova. Mas até para absorver e vivenciar o novo precisamos de tempo e estranhamento. O estranhamento pode ser útil para não se fundir com algo logo de imediato e assim adquirir  – com o tempo – um conhecimento possível, sem fusão e sem tantos preconceitos. Experimentar e, logo, experimentar novamente pode mais desorganizar do que de fato levar a experienciar. Já o tempo e a constância podem nos ajudar a construir um lugar interno de aconchego familiar que podemos usar para nos resguardar das intensas convocações externas; um lugar que podemos consultar antes mesmo de nos entregar à ansiedade provocada pelo novo.   

Não há problema algum em gostar da novidade seja ela qual for. O problema é quando apenas o que é novo satisfaz tal qual uma ordem vigente. O aprofundamento nas relações e nos assuntos requer tempo, requer respiração, requer construção e desconstrução de expectativas e ilusões, requer olhar várias vezes para o mesmo plano, capturando suas nuances variadas tal qual experimentar o mesmo prato para decodificar os sabores. O encontro com o outro também se desvela com o tempo a partir  também do nosso processo de desvelamento – também nos conhecemos aos poucos.

Assim o convite deste texto é para que olhemos ao mesmo tempo com admiração e alguma reserva, que esperemos, para que a absorção seja pelo diálogo do mundo interno com o externo, computando a presença legítima do tempo.  Para que aceitemos o mal estar que precede a alegria de superação da tristeza, do alívio do medo, da descarga da confusão, quando descobrimos o sentimento e não o raciocínio que pode confundir ainda mais.

Susana Z. Scotton e Equipe

Author:
Olá, sou a Fabiana e sou Coordenadora de Projetos do Instituto Raiz, clínica escola de Psicologia Corporal. Minha formação inicial é em Letras, fiz Mestrado e Doutorado em Estudos Literários. Durante meu doutorado, encontrei a Formação em Psicologia Corporal, cuja proposta casava com o meu tema de pesquisa e, por isso, resolvi cursar. Uma vez no Raiz, eu me apaixonei pelos estudos reichianos, pelas psicoterapias corporais e pelo Raiz como um todo na forma como Susana conduzia e conduz tanto a clínica quanto a escola. Desde que conclui minha formação, por aqui fiquei, contribuindo com os novos projetos. Em 2015, iniciamos o EAD Raiz e fui buscar uma nova formação em Design Instrucional pelo SENAC para dar conta das novas demandas e também pude ver as potencialidades do ensino a distância. Por fim, quero dizer que tem sido uma grande honra ver e participar do crescimento do Instituto Raiz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: